DISCOGRAFIA > THIAGO FRANÇA > PASSO TORTO E NÁ OZZETTI

MÚSICAS
 

1. Cipó

(Romulo Fróes / Rodrigo Campos)

2. Perder essa mulher

(Marcelo Cabral e Kiko Dinucci, Romulo Fróes, Rodrigo Campos e Kiko Dinucci)

3. Beth

(Marcelo Cabral / Rodrigo Campos)

4. Onde é que tem?

(Ná Ozzetti / Romulo Fróes)

5. Este homem

(Ná Ozzetti / Romulo Fróes)

6. Homem comum

(Romulo Fróes / Rodrigo Campos)

7. Palavra perdida

(Marcelo Cabral / Romulo Fróes)

8. O cinema é melhor

(Kiko Dinucci / Rodrigo Campos)

9. Bloco Torto

(Ná Ozzetti, Kiko Dinucci, Rodrigo Campos e Romulo Fróes)

10. O cadáver

(Romulo Fróes / Kiko Dinucci e Romulo Fróes)

 

Kiko Dinucci guitarra e voz

Marcelo Cabral contrabaixo, guitarra e voz

Ná Ozzetti voz

Rodrigo Campos guitarra e voz

Romulo Fróes violão e voz

 

FICHA TÉCNICA 

 

Produzido por Passo Torto e Ná Ozzetti

Gravado, mixado e masterizado por
Carlos (Cacá) Lima nos estúdios YB (SP)

 

* faça o download deste disco no site www.passotorto.com.br 

 

PASSO TORTO E NÁ OZZETTI - THIAGO FRANÇA

 

por Caçapa 

 

Passo Torto e Ná Ozzetti é cinema. É música e palavra em curto-circuito, desencadeando a imaginação do ouvinte: imagem e ação, imagem em movimento... é cinema, na sua sugestão de ambientes e espaços, planos e enquadramentos, de climas e texturas quase palpáveis... aquele cinema do cinema novo, da nouvelle vague e do cinema marginal... por vezes aquele ar de um radical desenho animado para adultos ou de uma antiga e agridoce comédia italiana... é também um cinema de guerrilha, feito com enorme economia de recursos e abundância de ideias... música pode ser tudo isto. 

 

Passo Torto e Ná Ozzetti é canção. Mas não exatamente a canção do samba-canção, a canção com refrão, a canção de amor e dor-de-cotovelo... canções que contam pequenas estórias, mas estórias sem grandes heróis nem moral da estória... estórias nem sempre lineares, estórias tortas cantadas em poesia, mas conduzidas também pela montagem inusitada dos arranjos, pelos cortes bruscos e secos, pelo contraste entre timbres saturados e cristalinos, pela alternância entre a estática do ruído e do quase-silêncio e a vertigem das intricadas texturas polifônicas... tudo isto pode ser canção. 

 

Mas, não... não é só isso... Passo Torto e Ná Ozzetti fazem cinema-canção... sim, cinema-canção. 

É um cinema-canção com locações em São Paulo. Mas não estamos propriamente na São Paulo dos personagens de Adoniran e de Vanzolini... não uma São Paulo explícita nos nomes de ruas e bairros... mas uma São Paulo arrancada do juízo de cada uma das cinco cabeças que se encontram nesse disco... é a São Paulo da urgência e da densidade, do sexo e da falta de sexo, da morte e do carnaval... mas é, antes de tudo, a São Paulo transfigurada em um estado mental.

 

Passo Torto e Ná Ozzetti é vanguarda mas também é tradição. Passo Torto sempre soou como banda coesa e não como um mero aglomerado de trabalhos individuais, e a presença-parceria de Ná Ozzetti felizmente se dá com grande naturalidade... é raro uma artista se manter na vanguarda durante toda sua vida (afinal a vanguarda é o pelotão de frente de um exército, reservado aos mais jovens, ainda enérgicos e entusiasmados), e também são raros os encontros entre duas gerações de artistas que resultem em frutos tão maduros e homogêneos... pois aqui Ná Ozzetti alcança essas duas virtudes com muita leveza... e assim presenciamos algo digno de nota: a vanguarda nascendo de novo e se transformando em tradição que alimentará futuras vanguardas e outras tantas tradições. 

 

E por que “Thiago França”? como diriam aqueles ilustres baianos-paulistanos, Tom Zé e Vicente Barreto (vanguardistas à sua maneira e tão atentos à música dos mais jovens quanto a própria Ná): “Hein?” “Thiago França” é o Passo Torto e Ná Ozzetti mantendo a tradição de confundir para esclarecer. 

 

PASSO TORTO E NÁ OZZETTI - THIAGO FRANÇA

 

by Caçapa 

 

Passo Torto and Ná Ozzetti album is cinema. It´s music and words shorted out, triggering the listener’s imagination: image and action, moving image… it´s cinema, in its cue of environments and spaces, plans and frameworks, climates and almost tangible textures… that cinema of cinema novo, nouvelle vague, and underground cinema… sometimes that air of a radical cartoon for adults or an old and bittersweet Italian comedy…it’s also a guerrilla cinema, made with scarce resources and plenty of ideas… music can be all these.

 

Passo Torto and Ná Ozzetti album is song. But not exactly that song of samba-canção, the song with chorus, the song of love and heartbreak…songs that tell short stories, but without great heroes or morals, not always linear stories, they are crooked stories sung in poetry, but also conducted by a set of unusual arrangements, by sudden and dry cuts, by contrast between saturated and clear tones, by alternance between the static noise and the near-silence and the vertigo of intricate polyphonic textures… all these can be song.

 

But no... it’s not only that… Passo Torto and Ná Ozzetti make cinema-song… yes, cinema-song.

 

It´s cinema-song with locations in Sao Paulo. But we´re not properly in that Sao Paulo of Adoniran Barbosa and Paulo Vanzolini characters… not a Sao Paulo explicit in the street names and neighborhoods… but a Sao Paulo pulled out of the judgement of each of the five brains that meet together in this album... a Sao Paulo of urgency and density, of sex and lack of sex, of death and carnival… it´s after all, a Sao Paulo transfigured in a mental state.

 

Passo Torto and Ná Ozzetti are vanguard but also tradition. Passo Torto always sounded like a cohesive band, not as a mere cluster of individual works, and the presence-partnership of Ná Ozzetti fortunately happens quite naturally… it is rare for an artist to remain at the forefront throughout her life (after all the vanguard is the leading platoon of an army, reserved for the still energetic and enthusiastic youngest), and the meeting between two generations of artists resulting in a ripe and homogeneous fruit is also rare … and here Ná Ozzetti achieves these two virtues with lightness… and so we witness something noteworthy: the vanguard is reborn and turning into a tradition that will feed future vanguards and many other traditions.

 

And why “Thiago França”? as Tom Zé and Vicente Barreto, illustrious people from Bahia based in Sao Paulo would say (vanguardists in their own way and, like Ná, so attentive to the music of the young) Huh? “Thiago França” is Passo Torto and Ná Ozzetti album, maintaining the tradition of confusing to clarify.

 

                                                                                            Rodrigo Caçapa, São Paulo, June, 30th, 2015

 

FOTOS

VIDEOS

IMPRENSA

© 2015 Ná Ozzetti. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por 

Folha de São Paulo - Ilustríssima

por Bernardo Oliveira

Go to link