DISCOGRAFIA > NÁ OZZETTI

MÚSICAS
 

1. Sua Estupidez

(Roberto carlos/Erasmo Carlos)

2. Nós

(Tião Carvalho)

3. Ah!

(Luiz Tatit) 

4. No Rancho Fundo

(Ari Barroso/Lamartine Babo)

5. Dio come ti amo

(Domenico Modugno)

6. Sócrates Brasileiro

(Zé Miguel Wisnik)

7. A olhos nus

(Zé Miguel Wisnik)

8. Libra
(Zé Miguel Wisnik)

9. Cardápio barra pesada

(Itamar Assumpção/Paulo Lepetit)

10. Orfeu 
(Zé Miguel Wisnik)

11. Diva
(Dante Ozzetti)

 

PARTICIPAÇÕES ESPECIAIS

 

Raul de Souza

trombone em "Sua Estupidez"

Paulo Tatit, Akira Ueno, Pedro Mourão e Gal Oppido (Grupo Rumo)

em "No Rancho Fundo"

Itamar Assumpção e Banda Isca 

em "Cardápio Barra Pesada"

Zé Miguel Wisnik

piano e teclados em "A olhos nus", "Libra" e "Orfeu"

 

FICHA TÉCNICA GERAL

 

Produtor Fonográfico Continental / Wheaton do Brasil/SA

Direção Geral Wilson Souto Jr.

Direção Musical Ná Ozzetti e Dante Ozzetti

Produção Artística Paulo Ferreira, Ná Ozzetti e Dante Ozzetti

Arregimentação dos sopros Itacyr Bocato Jr.

Programação dos sintetizadores Helio Ziskind, Ivo Carvalho, Jorge Poulsen

Gravado no Estúdio Transamérica SP 24 canais

Engenheiros de gravação Carlos Freitas, Zorro e Cotô

Assistentes Beto, Pedro Campi e Ricardo Branco

Engenheiro de mixagem Zorro

Técnico de editagem Nivaldo Roberto M Gualassi

Supervisão de corte Milton Araújo

Fotos Gal Oppido

Fotos do encarte Gal Oppido, Carlos Fadon, Letícia (da Juréia), Ná Ozzetti, Roberto Parizotti, Paulo Tatit, Rubinho Chaves, Marcelo Mendonça

Maquiagem Adriana Vaz e Lena Sá

Direção de arte Toshio H Yamasaki

Assistente de arte Luiz Cordeiro

Paste-up Antonio Deliperi

 

Piano acústico nas faixas ORFEU e DIO COME TI AMO foi gravado no Nosso Estúdio SP por Zé Luiz Teixeira

Bateria na faixa SÓCRATES BRASILEIRO foi gravada no Estudio Transamérica - RJ

 

Agradecimentos: Plínio Chaves, Ciça Tucori, Chico Puppo, Projeto Ônix, Helio Ziskind, Ro e Antonio da Costa Santos, João Fernandes da Silva Sobrinho, Lalo, Pena e Isa Uehara, Fabio p de Oliveira, Carlos Fadon, Marta Ozzetti, pessoal da Continental, pessoal do Estúdio Transamérica, Junior (Babalú), Álvaro Galati

 

Agradecimentos especialíssimos aos engenheiros Zorro, Carlos Freitas e Cotô pela grande contribuição, Wilson Souto Jr., Chico pardal e todos os músicos presentes neste disco. Á grande força dos queridos Dante, Bocato e Zé Miguel.

 

Este disco é dedicado à Claudia Mocchi, Mirthes Grisoli e Ernesta Ozzetti Margini

 

 

 

 

Lançado em 1988, esse trabalho projetou Ná Ozzetti como cantora-revelação, categoria pela qual recebeu os prêmios "Sharp" e "Lei Sarney". O primeiro disco solo de Ná registrou as principais diretrizes de seu trabalho até então: influências do Grupo Rumo, releituras de canções conhecidas - marcantes em sua carreira - e interpretações de obras inéditas de compositores como José Miguel Wisnik, Tião Carvalho e Itamar Assumpção, além do convívio com músicos instrumentistas.

 

A clássica "No Rancho Fundo", de Ari Barroso e Lamartine Babo, foi arranjada por integrantes do Rumo: Paulo Tatit na guitarra, Akira Ueno no baixo, Gal Oppido e Pedro Mourão na percussão. Dante Ozzetti assinou os arranjos de "Ah!", de Luiz Tatit, e das inéditas "Nós", de Tião Carvalho, e "Orfeu" e "A olhos nus", de José Miguel Wisnik, das releituras de "Sua Estupidez", de Roberto e Erasmo, e de "Dio come ti amo", de Domenico Modugno. E ainda compôs "Diva".

 

No repertório, outras duas composições de Wisnik: "Sócrates Brasileiro" e "Libra" (essa com arranjo do autor e de Hélio Ziskind, também do Rumo). Para completar o long-play, uma canção inédita de Itamar Assumpção e Paulo Le Petit: "Cardápio Barra Pesada", arranjada e executada por Le Petit e a Banda Isca de Polícia. A faixa teve participação especial do próprio Itamar. O trombonista Bocato arregimentou o naipe de metais formado por Bangla e Lino Simão (sax e flautas), Cláudio Farias (trompete) e o próprio Bocato no trombone. Fez ainda os arranjos para metais de "Ah!" e "Cardápio Barra Pesada", além de ter convidado o trombonista Raul de Souza para um contraponto com Ná em "Sua Estupidez".

 

O disco contou ainda com a participação da pianista Elisa Zein, do baixista Chantily e da flautista Marta Ozzetti. NÁ OZZETTI (Continental) foi gravado em 1987 no Estúdio Transamérica, em São Paulo. As fotos da capa e encarte são do Gal Oppido, fotógrafo e baterista do grupo Rumo.

 

NÁ OZZETTI por Ná

 

Sobre cada um dos músicos e compositores que tiveram a maior importância neste trabalho tenho algumas histórias que me dão muito prazer em rever e contar:

 

Dante - produziu o disco e me ajudou na direção musical. Fizemos este trabalho em parceria. As canções "Sua Estupidez", "Nós", "Dio Come ti Amo", aqui arranjadas por ele, foram inicialmente concebidas para violão e voz para os primeiros shows que apresentamos. Ali nascia a matriz de um trabalho que desenvolvemos juntos nos anos seguintes.

Na gravação deste disco, Dante escreveu o complemento destes arranjos para os outros instrumentos, além de ter tocado e escrito em outras faixas, como pode ser conferido na ficha técnica deste encarte.

  

Zé Miguel - por volta de 1985, quando comecei a fazer os primeiros shows-solo, tive o primeiro contato com as canções do Zé Miguel e fiquei impressionada com a qualidade da sua produção. As primeiras que ele me mostrou foram "Libra", "A Olhos Nus", gravadas neste disco, "Louvar", "Cântico dos Cânticos", "Alegre Cigarra" (parceria com Paulo Neves) - que até onde sei, ainda não foram gravadas - "Outra Viagem" - que havia sido interpretada pela Alaíde Costa e que eu gravei mais tarde no CD ESTOPIM, entre outras tantas maravilhas que iam surgindo a cada vez que nos encontrávamos. Passei a cantá-las nos meus shows. Para esta gravação escolhi, além das duas mencionadas acima, "Sócrates Brasileiro" e "Orfeu", compostas na época.

"Libra", "A Olhos Nus" e "Sócrates Brasileiro" foram arranjadas à seis mãos pelo Zé Miguel, Hélio Ziskind e Dante. A cozinha e a bateria da escola de samba de “Sócrates” foram gravadas no Rio. "Orfeu" foi tocada pelo próprio Zé e recebeu arranjo de metais do Dante.

  

Bocato - Desde a banda Metalurgia sou fã do Bocato. Depois o vi tocando com o Itamar e a banda Isca. Tinha um grande desejo de trabalhar com ele. Quando gravei este disco, uma das primeiras coisas que fiz foi convidá-lo para fazer os arranjos de metais e para o solo de trombone de "Sua Estupidez". No dia desta gravação ele apareceu no estúdio com o Raul de Sousa para que este fizesse o tal solo. Coisas da generosidade do Bocato... o Raul saiu gravando e registramos um dos momentos sublimes do disco. Bocato fez os arranjos de metais de "Ah!", "Sócrates Brasileiro" e "Cardápio Barra Pesada".

 

Itamar e a Banda Isca - Eu queria muito incluir alguma do Itamar, então ele e o Paulo Lepetit me apresentaram "Cardápio Barra Pesada", parceria dos dois e a própria banda Isca fez o arranjo e tocou no CD. Coincidentemente o Itamar estava gravando o INTERCONTINENTAL no mesmo estúdio e nos encontrávamos todos os dias. Além disso, Bocato e os mesmos músicos do naipe de metais participavam dos dois discos. O Itamar veio ouvir a gravação de "Cardápio" e resolveu ali mesmo fazer uma participação nesta faixa.

 

Rumo - Paulo, Akira, Pedro e Gal - "No Rancho Fundo" fazia parte do repertório dos shows do Rumo e foi arranjada pelo Paulo Tatit e Akira Ueno. Como nesta época o Rumo não pretendia fazer um "Rumo aos antigos 2" eu convidei o "Rumo" para gravar no meu disco. A canção "Ah!" também era do repertório do Rumo, aqui ela foi rearranjada pelo Dante, Bocato e por mim.

 

Foi um período intenso de trabalho, realizações e felicidade, o convívio diário com artistas que tenho a maior admiração e orgulho e que me ajudaram a produzir este álbum. Incluo aqui a participação de cada músico, citando o baixista Chantily, a pianista Elisa Zein e minha irmã flautista Marta, os engenheiros de som Carlos Freitas, Cotô e Zorro.

  

A idéia e as fotos da capa original foram concebidas pelo baterista do Rumo, o meu amigo e fotógrafo Gal Oppido, que fazia sempre as capas do Rumo (com Edith Derdyk). A primeira de uma série que ele depois criou para os meus futuros trabalhos. Mas neste caso específico teve o lay-out final desenvolvido pelo então diretor de arte da gravadora Continental, Toshio H. Yamasaki.

 

NÁ OZZETTI

 

Released in 1988, this disc projected Ná Ozzetti as a new voice, and in the category Best New Female Singer she received the Sharp and Sarney Law Awards. Her first solo album reflected the main directions of her work until then: the influences of the Rumo group, reinterpretations of familiar songs – very important in her career – and interpretations of new works by composers such as José Miguel Wisnik, Tião Carvalho and Itamar Assumpção, plus shared experiences with instrumental musicians.

 

The classic “No Rancho Fundo” [Deep on the Ranch] by Ari Barroso and Lamartine Babo, was arranged by members of Rumo: Paulo Tatit on guitar, Akira Ueno on bass, and Gal Oppido and Pedro Mourao on percussion. Dante Ozzetti did the arrangements in “Ah!” by Luiz Tatit, and the unreleased “Nós” [We] by Tiao Carvalho, “Orfeu” [Orpheus] and “A Olhos Nus” [By the Naked Eye], by José Miguel Wisnik, the reinterpretations of “Sua Estupidez” [Your Stupidity], by Roberto and Erasmo Carlos, and “Dio come ti amo” [God How I Love you], by Domenico Modugno. And he also wrote “Diva”.

 

There were also two more compositions by Wisnik: “Socrates Brasileiro” [Brazilian Socrates] and “Libra” [Pound] (this with the arrangement by the author and Hélio Ziskind, also from Rumo). To complete the LP there was a new song by Itamar Assumpção and Paulo Le Petit: “Cardápio Barra Pesada” [Tough Menu], arranged and performed by Le Petit and the Isca da Polícia band, with Itamar himself as special guest. The trombonist Bocato organized the brass section, consisting of Bangla and Lino Simão (sax and flutes), Cláudio Farias (trumpet) and Bocato himself on trombone. He also made the arrangements for the brass section on “Ah!” and “Cardápio Barra Pesada”, in addition to inviting the trombonist Raul de Souza to play a counterpoint to Ná in “Sua Estupidez “.

 

The album also featured the participation of pianist Elisa Zein, bassist Chantily and flutist Marta Ozzetti. Ná Ozzetti (Continental) was recorded in 1987 at the Transamerica Studio in Sao Paulo.

 

Cover photos and notes are by Gal Oppido, photographer and drummer of the Rumo group.

 

"NÁ OZZETTI" by Ná Ozzetti

 

This album, my first solo work, brings together a number of experiments of this period, with different musicians and instrumental ensembles.

 

I’d like to say something about each of the musicians and composers who were so important in this work:

 

Dante – he produced the album and helped me in the musical direction. We did this work in partnership. The songs “Sua Estupidez” [Your Stupidity]”, “Nós” [We], “Dio Come ti Amo”, here arranged by him, were originally written for classical guitar and voice for the first shows we gave, and so was born the matrix of the work we would develop together in the following years.

 

When recording this album, Dante wrote the complement of the arrangements for other instruments, besides having played in and written other tracks, as can be seen on the datasheet in this booklet.

  

Zé Miguel - around 1985, when I started giving my first solo shows, I had my first contact with the songs of Zé Miguel and was impressed with the quality of their production. The first he showed me were “Libra” [Pound] “, “A Olhos Nus [To the Naked Eye], recorded on this album; “Louvar” “ Praising”, “Cântico dos Cânticos” [Song of Songs], “Alegre Cigarra” [Happy Cicada] (in partnership with Paulo Neves) – which, to my knowledge, have not yet been recorded –; “Outra Viagem [Another Journey] –  which had been interpreted by Alaíde Costa and which I later recorded on the CD Estopim [Fuse], among many other wonders that emerged every time we met. I started to sing them at my shows.

 

For this recording, besides the two songs mentioned above, I have chosen “Sócrates Brasileiro” [Brazilian Socrates] and “Orfeu” [Orpheus], composed at this time.

“Libra”, “A Olhos Nus” and “Socrates Brasileiro” were arranged by Zé Miguel, Hélio Ziskind, and Dante. The rhythm section, and the samba school drum section in “Sócrates” were recorded in Rio de Janeiro. “Orpheus” was played by Zé himself, and the brass section was arranged by Dante.

  

Bocato – I’ve been his fan since the time of the Metalurgia band. After I saw him playing with Itamar and the Isca band and wanted very much to work with him. When I recorded this disc, one of the first things I did was to invite him to make the arrangements for brass and the solo trombone in “Sua Estupidez “. On the day of the recording he arrived in studio with Raul de Sousa to do the solo. This was typical of Bocato’s generosity... Raul began to record and we registered one of the sublime moments of the disc. Bocato made the brass arrangements of “Ah!”, “Sócrates Brasileiro” and “Cardápio Barra Pesada” [Tough Menu].

 

Itamar and the Isca Band - I wanted to include something by Itamar. He and Paulo Lepetit introduced me to “Cardápio Barra Pesada” which they wrote together, and the band Isca made the arrangement and played on the CD. Coincidentally, Itamar was cutting the CD Intercontinental in the same studio, and we met every day. Moreover, Bocato and the same musicians in the brass section took part in the two discs. Itamar came to hear the recording of “Cardápio” and decided right there to join us on this track.

 

Rumo - Paul, Akira, Pedro and Gal: “No Rancho Fundo” [Deep on the Ranch] was part of the repertoire of the Rumo shows and was arranged by Paulo Tatit and Akira Ueno. As at this time Rumo did not intend to make a “Rumo aos Antigos 2” [Towards the Old Timers 2] I invited Rumo to record on my disc. The song “Ah!” was also in the Rumo repertoire, and here it was rearranged by Dante, Bocato and myself.

 

It was an intense period of work, achievements and happiness, and daily contact with artists for whom I have the greatest admiration and pride, and who helped me produce this album. I include here the participation of each musician, mentioning the bassist Chantily, the pianist Elisa Zein, and flautist my sister Martha, the sound engineers Carlos Freitas, Cotô and Zorro.

  

The idea and the photos of the original cover were designed by the drummer of Rumo, my friend and photographer Gal Oppido, who always does Rumo’s covers (with Edith Derdyk). It was the first of a series which continued to my future work. But in this particular case the final lay-out was designed by the then art director of the Continental label, Toshio H. Yamasaki.

 

FOTOS

IMPRENSA

© 2015 Ná Ozzetti. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por 

Revista Manchete

1988